Followers

The 4 Candles

Maukie - the virtual cat

De credito aoende credito e merecido...

Os textos aqui colocados amaioria encontardo na internet , alguns com autoris desconhecidos ou enviados por email pelos membros. caso voce , conheca o autor de alguns por favor ajude nos adar Credito , aos autores, eles merecem.caso alguns desetes textos sege seu e nao queira que sege publicado na rede, por favor avise ao dono da REDE e sera excluido. obrigada e agradeco a colaboracao de todos. Opatcha. Que o povo cigano ilumine os seus caminhos e lhe traga abonanca sempre.
Gipsy Red Rose.

Free Astrology Chart Generator

Thursday, June 28, 2012

Caboclo - Bororo


Bororó, Caboclo (busto)



Há 370 anos passados, ou seja no decorrer do ano de 1591, conforme consta do nosso calendário: Existia no Estado do Amazonas, diversas tribos indígenas, com diferentes nomes, sendo que uma delas, tinha por nome "Bororó". Tribo esta comandada por Cacique Bororó, que tinha como companheira a Cabocla Zanira, e 7 filhos sendo 4 homens e 3 mulheres, com os nomes que se segue, Guaraci-Bororó, Juraci-Bororó, Tupi-Bororó, Pery-Bororó, Eloa-Bororó, Tânia-Bororó e Izana-Bororó e como Curandeiro o feiticeiro "Tapa" Sua tribo vivia de caça e pescas, apesar de serem os Bororós, grandes guerreiros devido sua maneira de comando, era a tribo dos Bororós, quem saia sempre, vitoriosa nas batalhas em que tomava parte, e tornando-se cada vez mais forte e também mais numerosa, pois era hábito, da tribo fazer tudo por aprisionamento, evitando ao máximo que houvesse derramamento de sangue, era essa uma ordem muito severa do chefe, o Cacique Bororó. Em uma das estações do ano, mais precisamente em um verão, daquela era, foram vítimas numerosos índios de tribos vizinhas, de uma malaria totalmente desconhecida por todos os curandeiros da época. Acontecendo que também alguns dos Bororós, foram atingidos. Mas o feiticeiro Tapa, com os seus conhecimentos de ervas e raízes e também por força de suas danças macabras, conseguiu curá-los. Assim sendo, as pequenas tribos, circunvizinhas, recorrerão ao grande chefe, em busca de salvação, seu Bororó, ordenou ao feiticeiro Tapa, curar todos os índios que fosse possível. Foram então iniciadas as curas, possível, pelo bom feiticeiro Tapa, auxiliado em seus misterios, pelos feiticeiros, Lua e Imba, no compassos de suas danças, macabras. Sendo que para curar a todos, foi preciso longo tempo, e o grande chefe, viu-se iminências de todos abrigar, ficando assim algumas pequenas tribos irmanadas aos valentes guerreiros Bororós. Obrigando desta forma, ao Cacique, assumir o comando de 7 tribos, passado para seus filhos e filhas o sub-comando de cada tribo. A tribo mais inimiga, a sua era dos GARAIBAS, que tudo fazia no afã de destruir os grandes guerreiros BORORÓS. Eram os Garaibas, senhores de grande tribo, e de muitos guerreiros também valentes, porém eram sempre derrotados, porquanto o comando de seu Bororó, foi sempre mais afoito e eficiente, e seus guerreiros muito mais destemidos. Um dia porém, em tempo de paz, foi armada uma trama, de qual seria vitima, o grande chefe guerreiro. E no opor do sol do dia 30 de setembro de 1591 quando seu Bororó, passava por um atalho de sua floresta, não muito longe de sua taba, e sem supor que alguém maldosamente esperava-o para matá-lo, foi atingido nas costas por uma flecha traidora que, fortemente envenenada, e cujo ferimento lhe foi fatal. Forçou agarrar seu inimigo, mais foi lhe negada as forças conseguindo apenas gritar por Izana, que de pronto atendeu seu chamado. Tudo fez o poderoso feiticeiro na anciã de salvá-lo, porém tudo foi inútil, Cacique-Bororó desencarnou. Izana, ao vê-lo inerte e já sem vida, reuniu todas as suas forças de guerreira valente, e saiu no alcanço do índio assassino, capturou-o e vingou a morte, do grande chefe guerreiro e pai. E com fibra que possuía de valente guerreira, assumiu todo o comando dos Bororós ora então já sem o seu valoroso Cacique, e cientificada de que o índio assassino era Chumay da tribo Garaibas. Não teve duvidas em iniciar a mais terrível e mais fria das guerras indígenas, que pode existir em nosso país. Sendo desta forma, quase em sua totalidade, destruindo e massacrando todos os Garaibas pelos valentes Bororós. Izana, tombou sem vida nessa árdua, tarefa para vingar o seu valente, Cacique, morreu feliz, morreu por vingança. Ainda hoje naquelas regiões os Bororós são grandes inimigos dos Garaibas, devido a perda de um de seus mais valentes, Chefe Guerreiro, do passado. E constantemente a Cabocla Izana e vista ao lado do Cacique Bororó, pelos videntes, como auxiliar nos trabalhos de terreiro. Só que Izana traz presa, a sua mão esquerda pelos cabelos a cabeça de Chumay e talvez seja por esse motivo que a Cabocla Izana, ainda não tenha comunicado em TERREIRO algum. Os caboclos da tribo dos Bororós não baixam em outro terreiro, senão com ordem do grande CHEFE CACIQUE. 


Texto de: Emir Xavier de Moraes, membro do 'Templo Espírita de Umbanda Aldeia dos Bororós'

No comments:

Post a Comment

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
There was an error in this gadget